ENTENDA A PROVA

Fabiana Murer - Salto com Vara

ENTENDA A PROVA

9 de maio de 2016

Hoje, com a evolução dos materiais, as varas –de fibra de carbono ou de fibra de vidro, como as de Fabiana Murer – se vergam tanto que catapultam o atleta para o alto. Um bom salto começa com uma corrida acelerada, com a vara empunhada, verticalmente, na altura do peito. Na área de impulsão, o saltador crava a vara em uma caixa e dá início ao salto, estendendo as pernas para cima, de modo a superar o sarrafo – a distância entre os postes que sustentam o sarrafo é de aproximadamente 4 metros. No alto, gira o corpo, empurra a vara e dá início à queda, caindo sobre um colchão espesso e macio.

Não há restrição quanto ao tipo de material, comprimento ou diâmetro da vara. Nas competições, cada saltador leva suas próprias varas – elas variam de acordo com o peso e a velocidade que o atleta atinge na corrida e cada altura que pretende ultrapassar, sendo mais ou menos flexíveis.

Em eventos maiores, como Mundiais e Olimpíadas, os saltadores passam por uma qualificação, com a altura de corte definida pela organização – avançam para a final os 12 atletas mais bem colocados na qualificação. A altura inicial dos saltos também é definida pela organização, de acordo com a evolução das marcas. Na Olimpíada de Pequim/2008 e no Mundial de Daegu/2011, por exemplo, a final feminina começou com o sarrafo a 4,30 metros. No Mundial de Berlim/2009, a altura inicial foi de 4,25 m e, nos Jogos de Atenas, em 2004, de 4 m.

fabiana stromotian foto 1

O saltador tem direito a três tentativas para superar cada altura. Se não conseguir, é eliminado da prova. O atleta também pode escolher a altura em que entrará na disputa e se saltará todas as alturas na sequência. Em Daegu/2011, Fabiana Murer começou a saltar com o sarrafo a 4,55 m – ultrapassou na primeira tentativa. Passou de primeira também por 4,65 m, optou por não saltar 4,70 m, ultrapassou 4,75 m sem dificuldades e foi para 4,80 m, que superou na segunda tentativa. A medalha de ouro veio na primeira tentativa de 4,85 m, em que igualou seu recorde sul-americano.

A essa altura, já sozinha na prova e com o título garantido, tentou melhorar sua marca sul-americana. Saltou duas vezes com o sarrafo a 4,90 m, sem sucesso. Em vez de tentar o terceiro salto a que tinha direito também a 4,90 m, pediu que o sarrafo fosse elevado a 4,92 m – o último atleta na disputa tem a prerrogativa de escolher a altura para o salto –, mas não conseguiu.

No desenrolar da prova, a estratégia do atleta, definida em conjunto com o técnico, também pode alterar a sequência de saltos. Se um saltador já desperdiçou duas tentativas em determinada altura, pode desistir da terceira a que tem direito e ir direto para a altura seguinte. Mas, se errar, será eliminado da disputa.

Acertar o salto na primeira tentativa também é importante. Em caso de empate, leva vantagem o atleta que superou antes determinada altura.

Patrocinadores

© Copyright 2016 Fabiana Murer