LUTA E SUPERAÇÃO NOS BASTIDORES

Fabiana Murer - Salto com Vara

LUTA E SUPERAÇÃO NOS BASTIDORES

9 de maio de 2016

cred divulgao mediumFabiana saltou 4 metros em 2003. No mesmo ano bateu o recorde brasileiro que pertencia a Karla Rosa, com um salto de 4,06 metros, um momento importante. “Alguma coisa destravou em mim”, costuma dizer Fabiana. Em 2004, tinha chegado bem pertinho do índice olímpico para ir aos Jogos de Atenas. Mas antes de ir ao seu primeiro Mundial, em Helsinque/2005, teve de enfrentar um ano de muita superação. Rompeu os ligamentos do pé esquerdo, o da impulsão, ao cair no colchão, numa aterrissagem. Sabia que tinha sido uma lesão feia e todos os que a cercavam achavam que não faria o índice para Helsinque (FIN).

“Alguma coisa destravou em mim”

Fabiana mostrou o quanto era determinada. Ficou parada por apenas um dia. Obcecada, voltou à pista, de gesso no pé e muletas. Surpreendia a todos, chamava a atenção de quem estava na pista quando atravessava o campo de muletas até a área do salto com vara para treinar a outra perna, os braços. Quando voltou, aprimorou a técnica de decolagem para diminuir a dor que ainda sentia no pé. Fez o índice para o Mundial, foi para Helsinque, conheceu a russa Yelena Isinbayeva e começou a ser conhecida pelas competidoras da prova.

..:: Sabia que tinha sido uma lesão feia e todos os que a cercavam achavam que não faria o índice para Helsinque (FIN) ::..

Em 2006 veio o primeiro recorde sul-americano, ao superar, com grande folga, a marca de 4,42 m que pertencia à argentina Alejandra Garcia. Fabiana saltou 4,55 m. No Pan-Americano do Rio, em 2007, veio o ouro, em casa, com 4,60 m, diante da torcida, motivo de orgulho. Mas foi nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, que Fabiana teve de enfrentar uma grande barreira – o sumiço de uma das varas que havia levado para a prova no momento do salto. Isso numa Olimpíada, a competição máxima do esporte, que só ocorre a cada quatro anos.

Patrocinadores

© Copyright 2016 Fabiana Murer